rosto posto

minha boca ainda mente

coloca letra

onde deveria ter

silêncio

e seca

horas

com longas voltas

e tontas ondas

sobre aquilo

que eu

deveria

dizer.


um longo dilema

conciliar

o faro apurado

do nariz grande e cansado

com o fardo

dessa boca

viciada num sorriso

sem som.

os olhos parecem abobalhados

depois de tanto show

com os dentes

e a língua

se contenta com a

performance desonesta

dos lábios e das letras ditas.


não é difícil ter um rosto

mas como é que cheguei aqui

se até minhas sobrancelhas

uso para me trair?


"ei, idiotinha!

que besteirinhas você vai inventar agora?

que tal só falar a verdade e depois

silêncio?"