praonde

onde

se vai

esvai

o longe

e aproxima

o desespero

espera pra

ver

o verde

tomando conta

desta

geringonça

meio gente

meio onça

sempre em

frente numa

seta

que arremessa

a vontade

a vaidade

a verdade

para frente

do tempo

em pó

corre

pra dentro

do corpo

o estojo

que guarda sua

mente

aguente

que ainda

vem chapa quente

a gente

no olho

do furacão

e não

tem lente

leite

leito

alento

para esse

momento


tem só espera

e ela

é a pedra

fundamental

do que

vem.

© 2020 por Caio Ribeiro

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now