top of page

fortaleza IV

o rio que

corre agora

inunda feliz os vales

velhos.


no peito

toda água tem notas

de música e

é assim que vibramos.


repito que eu existo

eu existo

existo


e continuo escutando o som deste rio

já quase febril

de vontade

de viver solto.


namorei uma represa,

penso. injusto.

nego.


escuto mais sons

enquanto

escrevo:


o som de alguém que você ama que está indo embora lentamente e isso não importa -

a mesma pessoa, mas com o som de sua nova surdez.

o som de tornar-se miúdo.

o teu som, o som do oceano, e o meu som.

o som de tentar queimar a chuva.

o som de uma mensagem romântica bêbada.

o som da minha cômoda guardando todas minhas roupas em outra cidade.

um estalar de geladeira.

o som de ramona na minha mente.

o som para amar um rapaz.

o som de uma fonte cheia de moedas.


e o rio

continua sendo tão frio

o nadar,

mas ele segue dentro de mim

desaguando o meu desabar

liberando o fluxo contínuo do espaço-tempo

liderando alguma coisa sem contexto

e eu

continuo sendo um

kamikaze

incapaz de

lutar.

0 comentário

תגובות


bottom of page