fera antiga

fera antiga

te olho

com punhal


teu pelo

laminado de

suor-cristal


não conte

mais com

minhas oferendas

sabáticas

nem com

minha devoção

diária

tenho como oferta

a escassez

e a precisão

de minha raiva,


espera,

fera

que numa hora dessas

te escalpo

num

tapete esfera

e te piso

e despeço


de sua carente carícia

me quero longe


hoje te dou

lágrima

amanhã,

fome.