conselho augusto

roube o amor

das mãos daqueles

entes

meio necro-

meio gente

que ostentam

na boca

tortos dentes

e na língua 

um aroma

acidente.

leve o amor

para o lugar

do tempo

dê a ele mais do que

o momento


um o espaço-templo


lembra do amor

quando olhar para a fera

e verá nela

você


o aroma do

amor

amansa

lembra do amor

quando sentir tristeza

porque o amor

é também uma lente

e não há quem aguente

ser olhado com amor


lembra do amor

quando se esquecer

porque o amor

é um tipo

de lembrança

lembra do amor

quando 

sentir amor

porque até o amor

pode

precisar.

© 2020 por Caio Ribeiro

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now