tdm

deixo morrer plantas

imagino casas azuis

penso qual desastre natural eu conseguiria sobreviver

desmarco compromissos importantes

desmarco compromissos sem importância

não varro as folhas do quintal

não bato os tapetes- eu nem sequer os piso

convido mil pessoas para um beijo

esqueço de fazer almoço

começo um livro que nunca será terminado

escrevo minha última carta

apago minha última carta por vergonha

ando pelos quadros na parede

quebro a rotina de cuidados com a pele

não escovo os dentes

estrangulo o relógio da cozinha

grito com a pia cheia de pratos

ignoro a Pagu

sinto vontade de me desenhar por dentro - não consigo e sinto raiva

ouço música não recomendada

busco mais absurdo e lâminas


é segunda

e ainda são 10:12