Sólidos aforismos: estudos sobre solidão

I. O círculo completa a solidão

II.

Partir a solidão no meio

Dar as duas metades Suas solitárias companhias

Dar a suas companhias duas solitárias metades

III. O gosto sólido de esqueleto de nuvem jovem linda e só/lida Solidão


IV. Solidão-te Solidoam

V. A materialidade sem peso deste apanhado de faltas/falhas doa uma fome de lados Fuzilados: esses vagos espaços que ninguém com/segue preencher.


VI. Nossa solidão nos une como sombra mas não melhora em nada a nossa falta de companhia.

VII. A solidão dobra o tempo e o quebra no contorno de uma Sórdida sede de sentir e ver os vastos vícios de quem tenta dormir.

VIII. POEMA CENSURADO

IX. Solidão oceânica que traz uma constante falta de sede. – é preciso beber até o sal dos dedos.

X . Uma área vazia hospeda sempre a possibilidade de coisas

Uma área cheia hospeda sempre a solidão das coisas.

XI. Só lida solidão: Vasto espaço raso e

sem alguém: rasgue-se em cem.


XII. Pesa essa lentidão – o lábio tenta beijar o horizonte a boca, não.

Estudo feito para a 3ª edição da revista Carnavalhame, 2019. Para ler lá na revista, clique aqui.

© 2020 por Caio Ribeiro

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now