mão

esses são fragmentos da mão que vi e vou descrevê-los aqui:


a mão repousada no livro

a mão

na boca do copo impedindo o líquido


a mão dormindo no colo


a mão por si só

flutuando na memória


a costa da mão

com a veia saltando

como se fosse código morse

a palma da mão

e aquelas linhas

que eu fingi saber ler


aquelas linhas como rotas de alguém com sede


a mão na mesa

em volta de alguns tantos

papéis

a mão ainda na mesa

mas agora ao lado de uma xícara grande


a mão rápida percorrendo

as prateleiras do mercado

a mão solene na hora de dizer tchau

e se desintegrar

num aceno febril.


a mão enquanto instituição

do tocar

com uma certa pedagogia do toque

segura sem agarrar

solta sem abandonar

a mão.



a mão rígida segurando a chave

ou mão atenta tocando as

pedras do mato.


seria possível reescrever a história de tudo

a partir desta palma

uma profunda cirurgia de alma

operada

pela sua

mão.


agora

a mão percorre

a escuridão

de uma outra mão

e isso não incomoda

nenhuma outra mão

do resto do mundo

nem esta que

escreve.

0 comentário