carrego a fuga no

nome

e quando

o momento é

oportununo

não falta sussurro

para o ir

longe


carrego a queda no

nome

e quando

o sentimento é

duro

não falta mergulho

para me tornar

um monge.


carrego poucas

letras

no nome

mas sempre que penso

acaba sendo

um monte.

pronto para

por a ponta

da lança

pra

dançar


cada ponta

é uma porta

ou

uma ponte

para o

porém


altos e mais altos

algo tão

vasto

e ainda assim

raso


essa incerteza tá

no sangue


fazer o azul

anzol

e pescar

todos

esses

adeuses

Bem vindo, meu filho, bem vindo a machina

Por onde você andava?

Não se preocupe, nós conhecemos sua caminhada

Você esteve no encanamento, passando o tempo

Provido de brinquedos, cercado de fedelhos

Você comprou uma guitarra pra punir sua mae

E não gostava da escola

E sabe que não é o bobo de ninguém

Então, bem vindo a machina


bem vindo, meu filho, bem vindo a machina

Com o que sonhou?

Não se preocupe, nós dissemos com o que devia sonhar

você sonhou com uma grande estrela

Ele tocava uma guitarra maligna

Comia sempre no bar

Ele amava dirigir seu jaguar

Então, bem vindo a machina


*Composição: Roger Waters - Pink Floyd.

Tenho o passatempo de traduzir músicas que gosto, tentando sempre trazer uma perspectiva poética para os versos. Todos os direitos da letra original estão assegurados ao compositor (eu acho).


© 2020 por Caio Ribeiro

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now